Antipalavras
Poesia e microcontos

Mortelagem

logo
roupas perderão
o conteúdo
sustentante
serão murchas
esgaçadas relembrantes
do volume que tiveram

sempre pedirão
por copos jovens
e finitos como
corpos descartáveis
mortos que renascem
aos bilhões
pra sustentar
a faminta fútil
moda

somente um modelo
moldará a eternidade
da modelo
a mortalha lindamente
modelada desde tempo
imemorial
1 comentarios:

Brunão, tá meio cabreiro de ler. Com este fundo seria interessante uma letra que se destacasse mais. Às vezes os zoinhos cansam.
Un abraccio!


Postar um comentário

Antipalavras

Ou isso é poesia ou não é nada,
um nada absoluto que persiste
em tentar explicar tudo.

Mas um nada que não é ausência,
e sim, preenchimento ao contrário.

Assim como o mito, um nada
que é tudo, a poesia é um nada
superior ao vazio:
Antipalavra que anula a palavra comum,
resultando a realidade.

Essa é a função do poeta
equilibrar com antipalavras
um mundo construído por palavras
para que a ilusão em que todos vivem
adquira existência.

Anti-herói

Minha foto
Escrevo poesias, contos e crônicas. Toco piano na banda Reino Elétron. Sou formado em Letras e faço Jornalismo na Universidade de Passo Fundo

Antimarcadores

Antipeixes


AntiTwitter

    Siga-me no Twitter

    Receba por e-mail

    Antisseguidores