Antipalavras
Poesia e microcontos

Protestos

Marcadores:
- Justiça! - pedia o pai de um rapaz atropelado com um cartaz de papelão e lágrimas nos olhos.
- Esse povo só sabe trancar rua! - disse uma senhorinha que passava pela calçada.
5 comentarios:

é o que há! simplicidade, síntese, sentimento, sentido.


Caro, Bruno

Tu és o cronista da atualidade?

Parabéns mesmo, viu.

Estive lendo um pouco do seu talento e percebo que você tem criatividade na condução do conceito dos seus textos, sensibilidade e muita inspiração.

O estilo é agradável!

E eu sou novo seguidor, lerei mais.

Abraço, colega
E viva também a poesia e jornalismo!


Muuuito obrigado Cristiano! Fico feliz com a sua visita!


Quanta versatilidade em observação, sensibilidade, faro, tensão. Jornalismo, poesia, sentimento. Sou tua fã!!! Na música, na escrita, na contação!


Postar um comentário

Antipalavras

Ou isso é poesia ou não é nada,
um nada absoluto que persiste
em tentar explicar tudo.

Mas um nada que não é ausência,
e sim, preenchimento ao contrário.

Assim como o mito, um nada
que é tudo, a poesia é um nada
superior ao vazio:
Antipalavra que anula a palavra comum,
resultando a realidade.

Essa é a função do poeta
equilibrar com antipalavras
um mundo construído por palavras
para que a ilusão em que todos vivem
adquira existência.

Anti-herói

Minha foto
Escrevo poesias, contos e crônicas. Toco piano na banda Reino Elétron. Sou formado em Letras e faço Jornalismo na Universidade de Passo Fundo

Antimarcadores

Antipeixes


AntiTwitter

    Siga-me no Twitter

    Receba por e-mail

    Antisseguidores